Obras de associados

Em breve, terá atualizações...
 CDs

 

Livros infantis






Livros de poemas


















Diversos 












 

 Novelas juvenis
 


Romances










7 comentários:

  1. À Casa do Poeta de Canoas!

    Tenho achado muitíssimo estranho que durante o período em que fui associado, pagando mensalidades, jamais fui convidado e nem prestigiado como certos autores. Entendi isso como um ato de menoscaso.

    Por outro, fiz a doação, por ocasião da Feira do LÇivro de Canoas de 2010, de 4 dos meus sete livros já publicados e em nenhum momento vi fotos publicadas registrando tal feito, quando presidente Maria Rigo, enquanto por outro constato a distinção de outros autores tendo a capa de seus livros publicadas nesta página, logo acima.

    Tal menoscaso é que tem me mfeito me afastar da Casa do Poeta de Canoas, pois poetas e escritores de fora são muitíssimo mais valorizados do que muitos autores locais. Tal atitude de menoscaso não muda a minha determinação de ser - como comprovam os meus livros, minhas dezenas de vídeos e o mais rico e inigualável acervo fotofonohistoriográfico, com mais de 35.000 mil fotos e diversas coleções de jornais e revistas, discos em vinil e originais de documentos históricos.

    Escrevo apenas para que saibam as relíquias que guardo ao longo de 45 anos como jornalista, poeta, historiador e escritor.

    Att.

    Xico Júnior

    ResponderExcluir
  2. Caro Sr. Xico Júnior
    Nosso propósito é de progredir e isto faz com que agora tenhamos conseguido fazer esta página (blog) com as capas dos livros, enquanto precisamos abrir mão do site. No seu caso, não houve menoscaso, posto que teve sim, matéria no antigo site divulgando o fato com foto de sua doação, livros os quais encontram-se honrados em nossa biblioteca. De outro modo, nossa entidade é um grupo de amigos que batalha visando em primeiro lugar a Cultura, nós associados que participamos ativamente temos sempre investido muito mais do que "usufruído". Lamentamos que muitos se associem esperando o contrário e se decepcionem por esta mesma razão. Como em outros lugares, os efetivos participantes, que cedem algumas ou várias horas semanais à Casa são poucos; enquanto muitos, pouco participam de nossas reuniões e atividades para conhecer a verdadeira labuta e dificuldades.

    ResponderExcluir
  3. Continuando: Não é nossa Casa do Poeta que valoriza mais os escritores de fora que os locais... Aliás, é justamente nossa luta a de valorização de nossos autores, principalmente nossos associados ativos de acordo com nosso Estatuto. Só não sabe disso quem não participa.

    ResponderExcluir
  4. olá,
    Não existe espaço para escritores poetas iniciantes e anônimos? Tomo a liberdade de postar um dos meus singelos poemas, obrigada desde já por vossa atenção,
    Julia Dalcin
    INVERNO DO SUL
    Amanhece o dia com ar gelado
    A fumaça saindo da boca ao falar
    É o inverno que já vem chegando
    E tanta coisa para se aproveitar
    A geada branquinha nos campos pela manhã
    Vai derretendo aos poucos com o nascer do sol
    A vontade de ficar mais um pouquinho na cama
    Manter o corpo aquecido envolto no lençol
    As mantas pesadas saem dos armários
    Casacos, polainas, cachecóis e as luvas
    Aquecendo na estação mais elegante
    Um pretexto para os encontros em turma
    Desfrutar de boa comida e um bom vinho
    Da conversa boa ao redor da lareira
    Do founde e do chocolate quente
    Acompanhado ou mesmo sozinho
    Fazem parte desse clima no momento presente
    Do chimarrão e do pinhão
    Aquecer-se em volta do fogão a lenha
    Lagartear aos domingos comendo bergamota
    Costumes da cidade grande e da pequena
    Passear aos domingos no Parcão
    Com seus filhos e bichos de estimação
    Inverno do aconchego e da solidariedade
    Levando sopa quente aos moradores de rua
    Que dormem ao relento pela cidade
    Deixados a própria sorte nua e crua
    Deixando de lado o preconceito
    Estendendo a mão a quem nada tem
    São os anjos anônimos que merecem respeito
    E que muitas vezes também não tem ninguém
    Ah inverno! Da chuva fazendo barulho no telhado
    Dos jantares a luz de velas
    Dos encontros dos namorados
    Admirar as estrelas debruçados nas janelas
    Inverno das botas de couro e das galochas
    Dos guarda chuvas coloridos
    Do aconchego das nossas casas
    Dos ai que frio! E de todos os sentidos
    Inverno dos campos de cima da serra
    Onde o frio é de arrepiar
    Dos dias curtos e sombrios
    Traz de volta os corpos juntinhos
    Um lindo pretexto para se amar
    Num lindo dia azul
    Assim é o inverno aqui no SUL
    Produzido por Julia Dalcin 26/05/2014 19:26

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Júlia
      De fato, ainda não abrimos este espaço. Valeu seu cutucão. Com certeza, após a agitação da 30ª Feira do Livro de Canoas, faremos isto. Seu poema, com certeza, irá inaugurá-lo.
      Sempre abrimos espaço para todos que amam a poesia, tanto é que estaremos lançando no dia 08 (conforme programação da página inicial) a nossa VI Coletânea, aberta a todos os interessados. Venha participar de nosso Encontro no dia 08 a partir de 14 horas e poderá apreciar mais espaços abertos para você e todos os amigos que o desejam.

      Excluir
  5. Júlia Dalcin: conforme prometido, abrimos o espaço sugerido por você. Veja lá em textos de associados e mais, seu poema inaugurando o mesmo, também conforme prometido.

    ResponderExcluir
  6. Quero agradecer pelo belo espaço para meus livros e mesmo estando distante de Canoas, continuo associada da Casa do poeta de Canoas, minha Terra Natal que tanto me orgulha.

    ResponderExcluir